Notícias

 

Notícias

 

17 de Fevereiro de 2017

DIA MUNDIAL DA MOTRICIDADE OROFACIAL



“Língua presa, funções orofaciais prejudicadas”

Franklin Susanibar
Ricardo Santos
Irene Marchesan

Analisada anatomicamente, a língua é uma estrutura muscular recoberta por mucosa, apresentando, em sua face ventral, uma prega de membrana mucosa denominada frênulo da língua1-2. A língua humana é um órgão extremamente complexo, estando ainda em estudo. As evidências que se tem até o momento nos levaram a compreender algumas peculiaridades dessa estrutura que até há alguns anos atrás não se tinha conhecimento. Hoje se sabe que a língua humana é considerada um hidróstato muscular, e por isso seu volume é constante, tem suporte próprio por meio de sua musculatura intrínseca e uma capacidade de realizar uma variedade de movimentos muito maior que um sistema muscular esquelético3-4. Além disso, a língua humana possui fibras mais fibras musculares do tipo I em indivíduos que já desenvolveram a fala, sendo que a quantidade dessas fibras varia de acordo com a função de cada músculo da língua5. Também é relatado que os músculos extrínsecos ajudam a posicionar adequadamente a língua na cavidade oral. Se a língua está posicionada mais para trás, ocluirá parcial ou totalmente a cavidade faríngea. A obstrução da faringe pel
a língua é uma das causas da apneia obstrutiva do sono3.

Esses conhecimentos auxiliaram os profissionais a compreender melhor esta estrutura, facilitando sua avaliação, bem como o diagnóstico das suas alterações.

Nesse contexto, uma das estruturas que ganhou importância nas últimas décadas e vem sendo estuda mais detalhadamente é o frênulo da língua.

O frênulo da língua é uma pequena prega de membrana mucosa que conecta a língua ao assoalho da boca1-2. Esta estrutura é constituída por mucosa e revestida por um epitélio estratificado pavimentoso, cujas células da camada mais superficial mostram-se nucleadas e com alguns grânulos de queratina no citoplasma. Essas características são comuns à mucosa de toda a cavidade oral6. Entretanto, existem algumas particularidades nos diferentes tipos de frênulo, sendo que na anquiloglossia, o frênulo lingual possui fibras colágenas do tipo I, presença de fibras musculares, bem como fibras elásticas agrupadas em feixes e próximas ao epitélio de revestimento. Essa constituição histológica não permite que o frênulo se rompa sozinho ou seja alongado por meio de exercícios7.

Baseada em estudos de embriologia, Knox8 relata que anquiloglossia é uma anomalia oral congênita, que ocorre quando restos remanescentes de tecido, que deveriam ter sofrido apoptose durante o desenvolvimento embrionário, permanecem na face inferior da língua, restringindo seus movimentos. Quando um bebê nasce com o frênulo lingual alterado, essa alteração permanecerá para o resto da vida, porque o frênulo não modifica seu tamanho, nem sua fixação ao longo da vida9.

Quando um frênulo está alterado, dificulta a mobilidade da língua, especialmente do ápice e, por conseguinte, muitas vezes, as funções de sucção, fala, mastigação, higiene oral, deglutição e respiração podem ficar comprometidas10-15.

Para determinar se um frênulo alterado está ou não comprometendo as funções orofaciais é importante que se avalie as variações anatômicas do frênulo, bem como os movimentos da língua durante essas funções. É um conjunto de características que leva ao diagnóstico das alterações do frênulo lingual. Por isso a importância da elaboração e validação de protocolos específicos para avaliar essa estrutura, na área de Motricidade Orofacial16-19.

A Motricidade Orofacial é o campo da Fonoaudiologia responsável pelo estudo, pesquisa, prevenção, avaliação, desenvolvimento, habilitação, aprimoramento e reabilitação das alterações congênitas ou adquiridas do sistema miofuncional orofacial e cervical, assim como das funções de sucção, mastigação, deglutição, respiração e fala, desde o período gestacional até o processo natural de envelhecimento20-21.

Sendo assim, o especialista em Motricidade Orofacial está capacitado para avaliar tanto a morfologia do frênulo lingual como as funções orofaciais. Caso as funções estejam comprometidas por causa da limitação dos movimentos da língua ocasionadas pelo frênulo lingual alterado, o especialista não poderá reabilitar as funções sem que o frênulo lingual se liberado, uma vez que o frênulo lingual não modifica o tamanho e o comprimento por meio de exercícios7,22.

Nesse sentido, os coordenadores internacionais e nacionais do DIA MUNDIAL DA MOTRICIDADE OROFACIAL, decidiram propor para o ano de 2017 o tema: “Língua presa, funções orofaciais prejudicadas”.

Em 2016, o tema escolhido foi: “Respirar: já parou para pensar?”23. No mês de comemoração houve a participação de profissionais, sociedades, entidades e universidades da Argentina, Austrália, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, França, Grécia, Itália, Japão, México, Peru, Portugal, Rússia, Espanha, Estados Unidos e Venezuela. Todas as atividades foram registradas na página http://www.womsd.com/24.

Esperamos que muito mais pessoas, instituições e países se unam para a difusão do Dia Mundial da Motricidade Orofacial em 2017.

Este tema: “Língua presa, funções orofaciais prejudicadas”, tem os seguintes objetivos:

Conscientizar a população sobre a importância do trabalho do especialista em Motricidade Orofacial, ao avaliar e orientar as pessoas com frênulo lingual alterado.

Conscientizar sobre a importância do diagnóstico e tratamento precoce das alterações do frênulo lingual.

Conscientizar tanto a população quanto os especialistas em Motricidade Orofacial e outros profissionais afins que o frênulo da língua não pode ser alongado ou modificado por meio de exercícios.

Fomentar a necessidade de um trabalho transdisciplinar para orientar adequadamente o paciente com frênulo lingual alterado.

O convite está feito! O êxito desse dia só depende da participação de cada um dos profissionais que trabalham nesse âmbito!

REFERÊNCIAS

Kenneth NA. Mosby’s medical, nursing, e allied health dictionary. 5th ed. St Louis: Missouri; 1998.

Singh S, Kent RD. Dictionary of speech-language pathology. San Diego, Califórnia: Singular’s; 2000.

Sanders I, Mu L. A three-dimensional atlas of human tongue muscles. Anat Rec (Hoboken). 2013;296(7):1102-14.

Kier WM, Smith K. Tongues, tentacles, and trunks: The biomechanics of movement in muscular hydrostats. Zool J Linnean Soc. 1985;83:307–24.

Sanders I, Mu L, Amirali A, Su H, Sobotka S. The human tongue slows down to speak: muscles fibers of the human tongue. Anat Rec (Hoboken). 2013;296(10):1615-27.

Junqueira LC, Carneiro J. Histologia básica. 9ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999.

Martinelli RLC, Marchesan IQ, Gusmão RJ, Rodrigues AC, Berretin-Felix G. Histological characteristics of altered human lingual frenulum. International Journal of Pediatrics and Child Heath. 2014;2:5-9.

Knox I. Tongue tie and frenotomy in the breastfeeding newborn. NeoReviews. 2010;11(9):513-9.

Martinelli RLC, Marchesan IQ, Berretin-Felix G. Estudo longitudinal de características anatômicas do frênulo lingual comparado com afirmações da literatura. Rev CEFAC. 2014;16(4):1202-7.

Marchesan IQ, Teixeira AD, Cattoni DM. Correlações entre diferentes frênulos linguais e alterações na fala. Rev Disturb da Comun. 2010; 22(3):195-200.

Silva MC, Costa MLVCMD, Nemr K, Marchesan I. Q. Frênulo de língua alterado e interferência na mastigação. Rev CEFAC. 2009;11(3):363-9.

Huang Y, Quo S, Berkowski JA, Guilleminault C. Short Lingual Frenulum an Obstrutive Sleep Apnea in Children. Int J Pediatr Res. 2015, 1:1.

Guilleminault C, Huseni S, Lo L. A frequent phenotype for paediatric sleep apnoea: short lingual frenulum.ERJ Open Res. 2016 Jul 29;2(3).

Siegel, Scott A. Aerophagia Induced Reflux in Breastfeeding Infants With Ankyloglossia and Shortened Maxillary Labial Frenula (Tongue and Lip Tie). Int J Clin Pediatr. 2016;5(1):6-8.

Haham A, Maron R, Mangel L, Botzer E, Dollberg S. Prevalence of breastfeeding difficulties in newborns with a lingual frenulum: a prospective cohort series. Breastfeed Med. 2014;9(9):438-41.

Marchesan IQ. Lingual frenulum protocol. Int J Orofacial Myology. 2012;38:89-103.

Marchesan IQ. Protocolo de avaliação do frênulo da língua. Rev Cefac.2010;12(6):977-89.

Martinelli RLC, Marchesan IQ, Berretin-Felix G. Protocolo de avaliação do frênulo lingual para bebês: relação entre aspectos anatômicos e funcionais. Rev CEFAC. 2013;15(3):599-610.

Martinelli RLC, Marchesan IQ, Berretin-Felix G. (2012). Lingual Frenulum Protocol with scores for infants. Internacional Journal of Orofacial Myology. 38, 104-112.

Conselho Federal de Fonoaudiologia. Resolução n. 320. Dispõe sobre as especialidades reconhecidas pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia, e dá outras providências. 2006. [acesso em: 2015 jul. 05]. Disponível em: http://www.fonoaudiologia.org.br/cffa/index.php/resolucoes/

Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia – Departamento de Motricidade Orofacial. Áreas de Domínio em Motricidade Orofacial, 2013. [acesso em: 2015 jun. 10]. Disponível em: http://www.sbfa.org.br/portal/pdf/areas_dominio_mo_pt-br.pdf

Marchesan I Q, Martinelli RLC, Gusmão RJ. Lingual frenulum: changes after frenectomy. J. Soc. Bras. Fonoaudiol. 2012;24(4):409-12.

Susanibar F, Marchesan I, Santos R. World orofacial myofunctional science day. Rev CEFAC. 2015;17(5): 1389-93.

Dia Mundial da Motricidade Orofacial. Eventos 2016. [acesso em: 2015 jul. 05]. Disponível em: http://www.womsd.com/

Fonte: CFFa/ABRAMO

< Ver todas as notícias
 
 


Edições Anteriores